sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

O cordão que amarra o espírito

"[...] não se sabe ao certo como se prende o espírito ao seu corpo físico e por que processos psicofísicos isso se faz. É certo, porém, que a ligação é feita no sistema nervoso e que um cordão fluídico - à falta de melhor termo - funciona como espécie de extensão elétrica. Graças a esse cordão, o espírito pode afastar-se do corpo durante o sono fisiológico ou em outros estados de desprendimento provocado artificialmente, como na hipnose ou ainda pela ingestão de drogas hipnógenas ou mesmo em consequência de um traumatismo muito forte, quando se diz que a pessoa 'perdeu os sentidos'. Perdeu nada, apenas afastou-se o espírito e com ele levou os seus sentidos e a sua consciência, pois esta e aqueles não se acham sediados no corpo físico que é apenas matéria, não podendo ter tais faculdades por si mesma. Por esse cordão, o espírito mantém sua vigilância sobre o corpo físico por mais longe que se afaste e por ele circulam impressões e sensações num sentido e noutro, isto é, do corpo para o espírito e deste para aquele. Em outras palavras, se algo incomoda a pessoa adormecida, a sensação recebida pelo corpo é imediatamente remetida ao espirito através do cordão fluídico e este retorna ao seu organismo para as providências necessárias. Por sua vez, as experiências que o espírito vai tendo na sua liberdade relativa também vão sendo, ainda que fragmentariamente, transmitidas ao cérebro físico. Ao despertar, a memória guarda maior ou menor nitidez das observações e atividades do espírito enquanto o corpo repousava.

Nesse desprendimento, o espírito tem a sua vida peculiar, embora limitada pela condição de ser dono de um corpo físico. Entra em contato com outros espíritos nas mesmas condições que ele ou em estado de liberdade maior, por não estarem no momento ocupando corpos físicos na Terra. Conversa, estuda, aprende, ensina, desloca-se, enfim, com relativa facilidade, sempre atado ao corpo físico pelo cordão fluídico.

A existência desse cordão não é relatada apenas nas obras psíquicas ou na Bíblia. Todos os videntes, isto é, seres que tem a faculdade adequada, percebem o fenômeno, qualquer que seja a sua formação religiosa ou a sua descrença total. De modo geral, notam essas pessoas o cordão que amarra o espírito ao seu corpo material, mergulhando neste à altura da base do crânio."


Miranda, Hermínio - Os Procuradores de Deus.

Mecanismos da prece

A prece tem efeitos positivos muito mais eficazes do que, em geral, as pessoas imaginam. Trata-se de um dos mais poderosos influxos magnéticos existentes. O trecho abaixo é do livro Os Mensageiros, de autoria de André Luiz e psicografado por Chico Xavier.


"Fizera Ismália nova pausa, agora mais longa. Os olhos umedecidos de pranto. Suave calor, todavia, apossava-se-me da alma. E tão intensa era essa nova sensação de conforto, que interrompi a concentração em mim mesmo, a fim de olhar em torno. Fixando instintivamente o alto, enxerguei, maravilhado, grande quantidade de flocos esbranquiçados, de tamanhos variadíssimos, a caírem copiosamente sobre nós que orávamos, exceto sobre os que dormiam. Tive a impressão de que eram derramados do céu sobre nossa fronte, caindo com a mesma abundância sobre todos, desde Ismália ao último dos servidores. Não cabia em mim de admiração, quando novo fenômeno me surpreendeu. Os flocos leves desapareciam ao tocar-nos, começando, porém, a sair de nossa fronte e do peito grandes bolhas luminosas, com a coloração da claridade de que estávamos revestidos, elevando-se no ar e atingindo as múmias. Ainda aí, reparava o problema da gradação espiritual. As luzes emitidas por Ismália eram mais brilhantes, intensas e rápidas, alcançando muitos enfermos de uma só vez. Em seguida, vinham as fornecidas pelas senhoras do seu círculo pessoal. Depois, tínhamos as de Aniceto, de Alfredo e dos demais. Os servos de corpo obscuro emitiam vibrações fracas, mas visivelmente luminosas. Cada qual, naquele instante de contato com o plano superior, revelava o valor próprio na cooperação que podia prestar.

Observando-me o assombro, Aniceto falou-me aos ouvidos:

- Na prece encontramos a produção avançada de elementos-força. Eles chegam da Providência em quantidade igual para todos os que se deem ao trabalho divino da intercessão, mas cada Espírito tem uma capacidade diferente para receber. Essa capacidade é a conquista individual para o mais alto. E como Deus socorre o homem pelo homem e atende a alma pela alma, cada um de nós somente poderá auxiliar os semelhantes e colaborar com o Senhor, com as qualidades de elevação já conquistadas na vida."

André Luiz - Os Mensageiros (psicografia de Chico Xavier).


terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Onde começa a ciência

"Talvez nos contestem a qualificação de ciência, que damos ao Espiritismo. Certamente não teria ele, em nenhum caso, as características de uma ciência exata, e é precisamente aí que reside o erro dos que o pretendem julgar e experimentar como uma análise química ou um problema matemático; já é bastante que seja uma ciência filosófica. Toda ciência deve basear-se em fatos, mas os fatos, por si sós, não constituem a ciência; ela nasce da coordenação e da dedução lógica dos fatos: é o conjunto de leis que os regem. Chegou o Espiritismo ao estado de ciência? Se por isto se entende uma ciência acabada, seria sem dúvida prematuro responder afirmativamente; entretanto, as observações já são hoje bastante numerosas para nos permitirem deduzir, pelo menos, os princípios gerais, onde começa a ciência."


Kardec, Allan - Revista Espírita de janeiro de 1858.


Tesla, sobre fenômenos não-físicos


Clique para ampliar. Fonte: Traço de União

A teoria da evolução expandida

"Em 1859, dois anos depois do lançamento de O Livro dos Espíritos por Allan Kardec, o célebre cientista inglês Charles Darwin publicou A Origem das Espécies, 28 anos após ter partido para uma viagem de estudos ao redor do mundo que durou cinco anos e embasou toda sua reveladora obra.

[...] Darwin anulou a teoria do criacionismo e mostrou de uma forma lógica que a vida, biologicamente considerada, evoluiu desde um organismo unicelular para, bilhões de anos depois, ter-se chegado ao homem. Dentre os dois extremos, a evolução produziu milhões de seres vivos; todos, sem exceção, elos de uma corrente indissociável.

[...] Paralelamente às constatações biológicas de Charles Darwin, Allan Kardec nos trouxe as informações iniciais, oriundas do plano espiritual superior, acerca da origem e evolução do espírito desde a mônada (princípio espiritual individualizado) até à alma humana. Analogamente ao ocorrido no processo de evolução biológica, dentre os extremos, há milhões de patamares de desenvolvimento espiritual fortemente inter-relacionados.

[...] Em A Gênese, Kardec teceu comentários sobre a origem da vida na Terra em perfeita consonância com Darwin. No item 28 do capítulo X, escreveu o codificador do Espiritismo:

Por pouco que se observe a escala dos seres vivos, do ponto de vista de seu organismo, reconhece-se que, desde o líquen até a árvore, e do zoófito ao homem, há uma cadeia que se eleva por graus, sem solução de continuidade, e da qual todos os elos têm um ponto de contato com o elo precedente; seguindo-se passo a passo a série dos seres, dir-se-ia que cada espécie é um aperfeiçoamento, uma transformação da espécie imediatamente inferior.

[...] Certamente, a conjunção da teoria da evolução de Charles Darwin com os ensinamentos a respeito da vida espiritual constantes das obras de Allan Kardec forma a verdadeira imagem a nos permitir a compreensão da vida sob o ponto de vista holístico.

Segundo Kardec, os espíritos são criados simples e ignorantes. Portanto, para cada fase da evolução espiritual, desde a mônada, há um veículo físico compatível. Quanto maior o grau de evolução, mais complexo o corpo carnal, sobretudo no que diga respeito ao sistema nervoso, já que o cérebro é o transdutor da mente ao corpo físico. Ou seja, quanto mais expandida a consciência espiritual eterna, mais elaborado o sistema nervoso do corpo físico transitório.

Uma vez originado o espírito, (mônada), tem início a longuíssima e dificílima jornada rumo à angelitude. Trata-se, basicamente, de um processo que envolve um número inimaginável de reencarnações e desencarnações, com o intuito do aprendizado nas mais distintas condições e situações."


Extraído do livro Alimentação e Evolução Espiritual, do autor Edson Ramos de Siqueira. Fonte: Traço de União

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

O amanhecer de uma nova era


Clique para ampliar.

Fonte: Traço de União

O caminho para o autoconhecimento


Clique para ampliar.

Fonte: Traço de União